0

Já aconteceu conosco inúmeras vezes. Abrimos vários vinhos para degustação e, quando percebemos, uma garrafa acaba muito antes das outras. Ou concentra todas as pessoas ao redor dela.

Ou então em feiras: colocamos nossas garrafas abertas para degustação no estande e começamos a servir os enófilos. Depois de umas horas, começam a chegar pessoas perguntando: “É aqui que tem o vinho X?”. No final, grandes grupos ficam em torno daquele rótulo específico.

São os “crowdpleasers”, vinhos que se sobressaem em degustações e acabam se tornando campeões de vendas. Não são necessariamente melhores que os outros, mas agradam a todos e se destacam em festas, reuniões de confrarias etc.

Aqui na VINDAME, temos alguns rótulos que se encaixam perfeitamente nesse conceito. Vamos a eles:

Nerío e Cubardi, da Schola Sarmenti - Os vinhos da Puglia são campeões na preferência dos brasileiros. Costumam ter muita fruta e um toque aveludado na boca. No caso da produção dessa vinícola, eles estão um passo além: são, além disso, bastante complexos e gastronômicos, convidando sempre para o próximo gole. O Nerío, um Negroamaro da DOC Nardò, já esteve entre 100 melhores do mundo da Wine Spectator. O Cubardi é um dos melhores Primitivos no mercado brasileiro (talvez só esteja um pouco abaixo do Diciotto, da mesma vinícola).







Sorriso di Cielo, de La Tosa - Localizada no Nordeste da Itália, na Emilia-Romagna, La Tosa só elabora vinhos de muita personalidade. Este Malvasia é daqueles cujos aromas se espalham pelo ambiente quando servimos um copo. Depois de atrair a atenção, confirma tudo na boca, com muita estrutura e um final longo.







Heritage, de Convento de Las Claras – Este é daqueles vinhos que impressionam em confrarias. Tudo nele remete à classe de Ribera del Duero, com um casamento muito preciso entre a opulência da fruta e a presença da madeira. Um vinho que fica na memória por dias depois depois de degustado.









Pasión de Bobal, de Sierra Norte – O Pasión é um vinho que, parecendo por mágica, transforma o ambiente. Quando abrimos uma garrafa, os risos ficam mais intensos, as conversas mais animadas. Feito em Utiel-Requena com a preciosa casta Bobal, é o rótulo perfeito para um encontro informal de amigos.







Riesling Scharzhofberger Grand Cru, de Kesselstatt – A primeira vez que abrimos esse ícone do Mosel em uma degustação, a reação foi de silêncio. Todos se concentraram naqueles aromas minerais e cítricos, que se completam tão bem que parece que a natureza os criou com esse propósito. Em seguida, os sorrisos começaram a surgir. Um vinho de elegância incomparável.







Saúde,

Michael Schütte

Sócio e curador de vinhos da VINDAME